Pular para o conteúdo

Extremo, cringe ou genial? Até onde o marketing pode ir?

Já fez sua lição de cringe hoje?

Paula Ferreira

Paula Ferreira

— Designer e Ilustradora

Categoria: Marketing e Comunicação

Tempo de leitura 5 Minutos

Data de publicação: 10.01.2024

Extremo, cringe ou genial? Até onde o marketing pode ir?

Hoje eu venho aqui ensinar você, isso, você mesmo (!), a alavancar seu negócio com uma estratégia simples e fácil! Vamos falar a verdade: tá todo mundo cansado disso né?

Estamos cansados do marketing como ele vem sendo feito.

Pare um momento para pensar em quantas propagandas no seu dia são apenas puladas porque elas não têm nada de interessante e que fazem apenas os executivos receberem números em um relatório.

Além do marketing batido, podemos considerar também que a maioria das coisas que consumimos não são conteúdos úteis, mas sim memes, informações aleatórias e dancinhas vazias.

Cansada disso eu decidi escrever algo a respeito. Mas esse texto não é um manual sobre marketing ou conteúdo… É apenas uma análise de uma pessoa da Geração Z sobre esses pontos!

Foi dessa forma que, nos últimos meses, me vi cativada por um novo formato de “marketing” que algumas empresas vêm usando que me faz pensar instantaneamente na velha frase: “falem mal ou bem, mas falem de mim”.

E por que causar desgosto ou tornar sua marca motivo de comédia funciona mais do que uma estratégia bem formada do cursinho de 12 passos que você comprou ano passado e nunca assistiu nenhuma aula? A resposta é simples: porque isso faz você ficar pensando na marca por mais tempo e compartilhando… e o botão do compartilhar vale ouro.

Vou dar o exemplo de uma das minhas marcas preferidas que descobri da forma mais cringe possível:

Print com trocadilhos referente ao duolingo

O Duolingo acabou de sequestrar sua família porque você não fez sua lição de Francês hoje"

Se você não riu tudo bem (talvez a piada não seja pra você), mas eu confesso que isso me gerou um alto e bom riso.

Para quem ainda não conhece, o Duolingo é um aplicativo de idiomas que usa uma metodologia de pequenas lições por dia (pílulas) para que você possa aprender um novo idioma aos poucos, encaixando no seu dia a dia corrido, o que é uma estratégia comum entre apps de idiomas e jogos mobile. Quase todo mundo tem, ou já viu aquele app que fala: “Olá, quer dar uma olhadinha no que fulano postou? Já fez sua lição de cinco minutos de inglês hoje?”.

Foi inspirado no ódio generalizado que essas notificações excessivas criaram, que o Duolingo abraçou a ideia de ser completamente insuportável. E isso foi do dia pra noite? Não. Como podem ver, em meados de 2020, as postagens do Instagram continuavam inofensivas e normais como qualquer marca genérica:

Prints diversos do app duolingo

Ao abraçar a fama de “coruja inconveniente que quer impor seu conhecimento o tempo todo” algo mudou completamente. Foi ao compartilhar uma ou duas piadas no falecido Twitter sobre ela mesma que a marca começou a engajar e entender que o público começou a baixar o app apenas para ver se “as notificações eram excessivas mesmo”. Isso fez com que ele fosse um dos top apps mais usados do gênero educação e idiomas.

Prints diversos do app duolingo

Não perdoaram nem o Larry (RIP).

Quem tem limite é município

Se tornar cringe, compartilhando piadas absurdas sobre ele mesmo e piadas constantes no TikTok com a coruja perseguindo pessoas o tempo todo, fez com que a marca subisse de empresa para influencer e ser convidada para pré-estréias de filmes e eventos não como patrocinador, mas como celebridade.

Prints diversos do app duolingo

E o humor deles tem limite? Pouquíssimos. Porque causar polêmica também faz o seu nome ficar marcado. Principalmente por causar uma das collabs mais cursed possíveis do TikTok que causou tanto que o app simplesmente “quebrou” com o público reagindo a gravidez entre o Duolingo e o Scrubby Daddy (marca de esponjas de limpeza).

Prints diversos do app duolingo

Clique aqui se estiver preparado…

O motivo disso? Causar barulho

Eles poderiam ter escolhido uma estratégia padrão de fazer um vídeo apresentando a collab com uma dancinha genérica? Sim. Mas eles foram além, a ponto de diversas marcas reagirem e começaram a comentar tentando entrar na onda gigantesca que a collab causou (não só na internet… as esponjas de coruja esgotaram em minutos das prateleiras).

Prints de outras empresas espantadas com a forma agressiva do duoling fazer suas propagandas

Não consigo ‘desver’ isso. - E nos não vamos nós desculpar por isso.

Alguns extremos valem a pena

Eu não estou dizendo que você tenha que ir a extremos, ou que esse tipo de humor seja para você. Mas alguns extremos valem a pena, se você souber lidar com bom humor com as reações das pessoas (que podem vir de forma negativa). Nessa estratégia de marketing, o importante é o barulho causado.

E sabe o mais interessante de tudo isso? Autenticidade do conteúdo! O humor nos torna humanos, torna o marketing menos engessado e fora dos padrões “curso alavanque sua empresa nas redes sociais”.

Qualquer máquina pode produzir um texto profissional sobre a sua empresa, mas apenas um humano conseguiria pensar naquilo que o faz se sentir estranho, causar vergonha alheia e humor. E, mesmo que isso tudo tenha sido criado por máquinas, olhe os números, olhe os resultados.

Sair da caixa às vezes vale a pena!

Paula Ferreira

Paula Ferreira

— Designer e Ilustradora

Vamos jogar junto?

Ao enviar este formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Parceiros